Páginas

30 julho 2009

"O Ermo do Lampião"

Essa história eu escrevi na escola quando estava com tempo livre, é praticamente uma fanfic sobre Narnia, não a considero fanfic por que não fiz sobre os personagens já existentes(somente o Aslam). A propósito, eu nunca escrevi uma história assim, ou seja sou completamente amadora, não me matem.

"O Ermo do Lampião"

   Nas épocas douradas de Narnia, quando o Grande Rei Pedro reinava sabiamente em Cair Parável, uma dríade vivia feliz onde morava, próximo ao Ermo do Lampião com seus amigos náiades, dríades, faunos, sátiros e animais falantes. Seu nome era Sada.

   Seu melhor amigo era Timu, um sátiro, muito, muito pequeno, eles se conheceram quando Timu estava perdido na floresta e parou para descansar, justamente em sua arvorezinha, que não tinha nem metade do tamanho das arvorezinhas daqui.

  Um dia quando brincavam, Sada e Timu foram parar em uma parte desconhecida da floresta, ao Sul do Ermo do Lampião. Lá encontraram Tuk, um anão tão pequeno quanto eles, mas com uma malvadeza maior do que os três juntos. Tentaram ir embora sem serem vistos, mas Timu pisou num galho com seu casco, que estalou quebrando o silencio. Logo viram que o anão não estava desacompanhado, havia um tourinho, chamado Barus, e um lobisomem, Lucius, estes um pouco maiores.

  Timu e Sada estavam tão amedrontados que não conseguiam se mexer. Os três valentões se aproximaram com olhar perverso já os insultando. “ O que os cordeirinhos de Aslam fazem aqui? Estão perdidos?”, o anão, pelo visto, era o líder do bando.

   “Como assim ‘ cordeirinhos de Aslam’?” Sada, por mais apavorada que estivesse, não suportava ser insultada, muito menos se era mencionado o nome de Aslam
.
   “Vocês são uns cordeirinhos, bajuladores, servozinhos.” Continuou o lobo.

   “E vocês são criaturas que possuem maldade maior do que vocês mesmos, a propósito, não faz um ano que a Feiticeira Branca se foi?” Sada nunca viu Timu enfrentar alguém desse jeito.

   Os dois começaram a rir o mais alto possível, os três malvadinhos ficaram tão bravos que avançaram nos pequenos, mas o sátiro, com a agilidade de sua espécie, saltou por cima do anão e deu-lhe um pontapé nas costas e o anão caiu de cara no chão. Seus dois capangas tentaram em vão pegar a dríade, mas era impossível, pois, a dríade é um espirito, e o único jeito de machuca-la é acertando a arvore em que ela nasceu.

   Percebendo isso o anão ordenou: “Vamos até a árvore dessa plantinha, dar uma lição naqueles galhos!.”

   “Não!” Gritaram apavorados os dois pequenos e saíram correndo pela floresta para chegar na árvore de Sada. Mas o Lobisomem, apesar de ter disparado depois já estava muito a frente.

   Mas ao chegar o lobo se deparou com um grande leão, mas não era um só um leão, era O Grande Leão, Aslam! Que com um único e vitorioso rugido, espantou as três sementes do mal, que saíram correndo de medo do majestoso leão.

   "Aslam!" Sada e Timu ficaram muito felizes ao verem o Grande Leão." O que está fazendo aqui?"

  "Eu vi que certos narnianos estavam com problemas com antigos fiéis á Feiticeira. E eu vim conversar com eles sobre isso.Venham cá."

   Os dois pequeninos se aproximam do Grande Leão, sentam no chão ao lado dele, que como se por instinto paternal, toca seus rostos com o focinho acariciando-os. "Meus pequeninos, vocês não precisam fazer essas coisas para provar sua lealdade a Nárnia, não precisavam ter respondido daquela forma e poderiam ter ignorado os três. Os pais deles serviam á feiticeira e perderam suas vidas na guerra, por isso estão revoltados desse jeito, não tem por que brigarem com eles, só vão piorar a situação, tentem ver as coisas do lado deles, tentem entender o que acontece com eles para assim poder resolver a briga."

  "Mas como eles podem querer se tornarem nossos amigos, pensamos de formas tão diferentes?"

  "Eu vou tenta ajuda-los nisso, vou falar com eles.". Dito isso num piscar de olhos, Aslam desapareceu.

  Os dois pequenos foram para suas casas pensando no que Aslam havia dito. Qual a necessidade dessa briga? Eles poderiam te-la evitado? Poderiam evitar futuras brigas?No dia seguinte,se encontram perto da árvore de Sada e ficaram jogando cartas entediados. Então os três moleques apareceram, ao os avistarem já se levantaram assustados, mas os três não fizeram nada e falaram."Não viemos para brigar."

   Então se aproximaram calmamente pediram desculpas, depois começaram a conversar, contaram que Aslam havia falado com eles e eles ficaram pensando naquilo a noite toda e perceberam que realmente não havia necessidade de briga. Depois disso as implicâncias pararam, eles não se tornaram grandes amigos, mas não se atormentavam mais, quando grandes, todos eles se tornaram cavaleiros de Nárnia, e a história vai por aí.

Fim



   Eu acho que fiz essas histórias pensando no que acontecesse conosco(eu e minha irmã) no meu dia-a-dia, na escola, não que os personagens sejam pessoas em especial, muito menos os dois principais não tem nada a ver com a gente, eles foram aleatórios.
...Quem me dera ter um Aslam para nos ajudar desse jeito, e quem me dera fosse tão fácil assim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário